O bullying é um problema sério e bastante frequente no desporto jovem, nomeadamente no futebol de formação.  Antigamente, os treinadores, e até os pais, encaravam o bullying como “coisas de miúdos”. Felizmente, os tempos mudaram e, hoje em dia, todos concordam que não há lugar para tal, no desporto.

O que é o bullying?

Bullying é o comportamente agressivo, intimidativo e repetido, entre crianças, e jovens, de idade escolar, que envolve um desequilíbrio de poder, real, ou percebido, tendo como finalidade causar um dano físico, ou psicológico, a outra pessoa.

Existem três tipos principais de bullying. No futebol de formação, e no desporto jovem, em geral, as formas mais comuns de bullying verbal são o insulto, chamar nomes e ameaça de violência a outro jogador. O bullying social inclui a exclusão de outro atleta, de forma propositada, boatos, conversas que prejudicam e magoam, e envergonhar o atleta, em frente aos outros. O bullying físico inclui murros, chapadas, tropeções, bater na cabeça, bater com a toalha, cuspir, roubar e fazer gestos com as mãos.

Quais os efeitos do bullying?

Independentemente da forma como acontece, o bullying tem um impacto físico, e emocional, terrível nos mais jovens. As vítimas de bullying sentem-se magoadas, zangadas, com medo, isoladas, envergonhadas e sem esperança.

As vítimas de bullying correm um risco maior de desenvolver problemas de saúde mental, como depressão e ansiedade. Além disso, as cicatrizes causadas pelo bullying podem persistir durante muito tempo, no futuro, e podem predispor um jovem a desenvolver problemas psicológicos, na vida adulta.

Quem são as vítimas de bullying?

Imagem: http://feszulos.blog.hu/2017/08/29/ne_sportoljak_mert_kover_vagyok

Alguns fatores colocam as crianças num risco maior, mas nem todas, com essas características, sofrerão bullying. Geralmente, os jovens jogadores que sofrem bullying são encarados como diferentes dos seus colegas de equipa (por exemplo, com excesso de peso, ou abaixo do peso, uso de óculos ou orientação sexual) e são percebidos como fracos ou incapazes de se defenderem. Eles também tendem a ter baixa auto-estima, são menos populares, do que os outros, têm poucos amigos, não se dão bem com os outros e são vistos como irritantes ou antagónicos.

Quem são os autores de bullying?

Nenhum fator isolado coloca uma criança em risco de se envolver no bullying, mas alguns jogadores, que são mais propensos a intimidar os outros, estão bem ligados aos seus colegas de equipa, têm poder social, estão excessivamente preocupados com a sua popularidade e gostam de dominar, ou comandar, os outros. Outros, são mais isolados dos seus colegas de equipa, têm baixa auto-estima e não se identificam com as emoções, ou sentimentos, dos outros. Tendem a ser agressivos, ou facilmente frustrados, têm problemas em casa, ou na escola, têm dificuldade em seguir regras, vêem a violência de maneira positiva e têm amigos que intimidam os outros.

O que os treinadores devem ensinar aos jovens jogadores, sobre o bullying?

Imagem: http://www.vancourier.com/sports/pledge-to-stop-bullying-in-sport-1.8547826

Como parte das suas responsabilidades de segurança desportiva, os treinadores devem assumir um papel proativo na redução da probabilidade de ocorrência de bullying. Além disso, os treinadores devem dedicar tempo, e esforço, para educar os jovens jogadores sobre o bullying o que inclui ensinar-lhes:

(a) o que é o bullying,

(b) o que fazer, se eles forem alvo de bullying

(c) o que fazer, se eles forem testemunhas de bullying

As reuniões de equipa, que geralmente são curtas e realizadas regularmente, oferecem uma excelente oportunidade para a educação. Nas reuniões, os treinadores podem implementar as recomendações para promover o entendimento dos atletas sobre o bullying, o que acabará por ajudar a sustentar os esforços de prevenção ao longo do tempo.

É aconselhável proporcionar uma oportunidade para os atletas se expressarem promovendo, por exemplo, discussões sobre o bullying através de perguntas abertas, como as seguintes:

  • O que é, para ti, o bullying?
  • Já tiveste medo de ir a um treino, ou jogo, porque estavas com medo do bullying? O que fizeste para tentar mudar as coisas?
  • Tu, ou os teus colegas de equipa, deixaram outras crianças de fora das atividades, de propósito? Achas que isso foi bullying? Porquê ou porque não?
  • Já assististe a jogadores da tua equipa a serem intimidados? O que sentiste?
  • O que costumas fazer, quando assistes a situações de bullying?
  • Já tentaste ajudar alguém que estava a ser intimidado? O que aconteceu? O que farias se acontecesse outra vez?

Ao liderarem as discussões, os treinadores devem garantir aos jogadores que estes não estão sozinhos, ao abordar quaisquer problemas que possam surgir.

Os jogadores devem ser incentivados a falar com o treinador, se sofrerem de bullying, ou virem outros a serem intimidados. O treinador pode dar conforto, apoio e conselhos, mesmo que eles não consigam resolver o problema imediatamente.

Ajudar os jogadores, a lidarem com o bullying:

Falar sobre como enfrentar os bullies. Dar dicas, como:

  • Olhar para o bully e dizer “pára” com uma voz calma e clara
  • Tentar usar o humor e rir, o que pode fazer com que o bully seja apanhado desprevenido
  • Se a fala parece muito difícil, ou não é segura, a vítima não deve reagir. Em vez disso, deve ir embora e ir ter diretamente com o treinador

Falar sobre estratégias para se manterem em segurança. As estratégias podem incluir:

  • Falar com os treinadores sobre o problema, para que eles possam ajudar os jogadores a fazer um plano para parar o bullying
  • Evitar situações em que o bullying ocorra
  • Ficar perto dos treinadores, já que a maior parte do bullying acontece quando os adultos não estão por perto

Incentivar os jogadores a ajudarem outras pessoas que sofrem bullying. A assistência pode envolver:

  • Deixar o bully saber que tal comportamento é uma violação da política de tolerância zero do treinador
  • Criar uma distração ou concentrar a atenção noutra coisa
  • Ajudar o jogador, que está a ser intimidado, a escapar da situação
  • Encontrar o treinador, ou pedir a um colega para encontrar o treinador, o mais rapidamente possível
  • Ser gentil com o jogador intimidado, o que ajuda muito para que ele saiba que não está sozinho

Fontes:

Rosinski, Allan, 4 Ways to Prevent Bullying in Youth Sports

Smoll, Frank, What to teach young athletes about bullying, Psychology Today, 2017

Smoll, Frank, Disciplinary Problems and Bullying in Youth Sports, Psychology Today, 2015

1 Comentário

  1. Vera Lúcia
    30 Abril, 2018
    Responder

    Um excelente artigo que peca por apenas se ver os jogadores como os potenciais bullys mas esquecem-se que, muitas vezes, os adultos são os bullys.
    E, quando o bully é o próprio treinador? Como devem reagir as crianças?
    Crianças ameaçadas de que não serão convocadas para os jogos se abrirem a boca e humilhadas e ameaçadas apenas quando não estão na presença de outros adultos… e quando o clube tem conhecimento e consente sob a desculpa de que são apenas “chamadas de atenção”…

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior Derrota! E agora?
Próximo O MENTAL COACHING E A FORMAÇÃO DE JOVENS ATLETAS