“Como Ser um Treinador de Excelência” de Alcino Rodrigues


“Como Ser um Treinador de Excelência” é uma obra para todos os treinadores desportivos com funções em modalidades colectivas. Falo aqui de treinadores de futebol, futsal, basquetebol, andebol, voleibol, râguebi, hóquei em patins, pólo aquático, etc. Os seus conteúdos são transversais às modalidades em que a equipa está acima de tudo, pois é neste contexto que encontramos características específicas que lhes conferem uma certa especialidade. Estas características encontram-se também noutros ambientes organizacionais, pelo que o papel do treinador no desporto pode ser equiparado ao papel do gestor, administrador ou encarregado numa organização empresarial. Muitos conceitos de gestão de equipas provenientes do desporto foram importados para o ambiente empresarial pois a uma certa altura verificou-se que em ambiente grupal as características relacionais, de performance e produtividade são comuns. Outros conceitos relacionados com a liderança e a comunicação atravessam um caminho inverso, ou seja, do contexto empresarial para o contexto desportivo.

O treinador que adquire a obra encontrará um guia que o irá orientar para a Excelência, um conceito de evolução contínua, consciente e consistente com o objectivo de se tornar exponencialmente melhor nas suas funções.

Ser treinador é uma aventura, um desafio mas quando se deseja ser excelente e setrabalha para isso é necessário existir um foco no todo e não só nas competências técnicas.Assim fazem os melhores e assim é a minha perspectiva, baseada em experiências, investigação, estudo e casos reais, daquilo que um treinador deve ter para ser um treinador de excelência. Para ser um treinador bem-sucedido. Para que deixe marcas nos seus atletas. Para que todos se lembrem dele para o resto da sua carreira desportiva, profissional ou amadora. Possivelmente será uma perspectiva comum a muitos, quer sejam treinadores profissionais, de alta competição, quer sejam amadores ou aspirantes a treinador, de um grande clube ou de um escalão de formação numa pequena associação desportiva.

Fruto da minha experiência como atleta de várias modalidades diferentes, dirigente e treinador, duma alargada pesquisa, do relacionamento com muitos outros treinadores, atletas, dirigentes, ao longo de 25 anos e do acumular de muitos anos de observação, com um grande alinhamento dos conteúdos com conceitos do Coaching e da Programação Neurolinguística, esta obra tem como foco as competências comportamentais chave e é suportada pelo pressuposto de que as bases da actividade de um treinador são a Liderança e a Comunicação, com grande implicação nas Relações Interpessoais. Para atingir a excelência é necessário dirigir o foco para estas três dimensões, não menosprezando no entanto as competências técnicas adquiridas.

A Pedagogia do Desporto indica-nos que existem 3 tipos de competências essenciais a serem desenvolvidas pelos treinadores, nomeadamente as Competências Técnicas, as Competências de Comunicação e as Competências de Liderança. Pensando nisto, e partindo da minha ideia base de que, em geral, todos os treinadores são tecnicamente competentes e têm acesso a uma quantidade quase infinita de conhecimento existente relacionado com a modalidade que treina, cheguei à conclusão após algum estudo e investigação que a comunicação e a liderança são as competências que fazem a diferença efectiva no sucesso de um treinador. E aqui falo de sucesso consistente e não sucesso esporádico, pois este poderá acontecer fruto de certas circunstâncias reunidas. A chamada sorte…

Um treinador tem de ser um líder e, por conseguinte, um bom comunicador. Deve de saber interpretar os padrões de comportamento dos seus atletas, mesmo que de forma inconsciente, decidir muitas vezes intuitivamente e em poucos segundos, sabendo que essa decisão irá influenciar o rumo dos acontecimentos daí para o futuro. A filosofia de vida de um treinador de excelência está intrinsecamente ligada à sua filosofia de treino. Por vezes a fronteira é tão ténue que surgem afirmações como uma recente de Vítor Pereira: “Eu durmo a pensar futebol…”. Um treinador deve ter a capacidade de entender que ele próprio é uma obra inacabada. Isso define a sua humildade, impulsiona-o e motiva-o para a formação constante e regular. Ele coloca as coisas em dúvida regularmente e reformula o seu pensamento num ápice.

Uma boa notícia é a de que todas estas capacidades são possíveis de trabalhar, na minha opinião, e o desenvolvimento da criatividade, da persistência, da resiliência e da paciência irá ser tão natural quanto a paixão que sente pela actividade que exerce. Na ausência de alguém que treine o treinador, ele próprio deverá desempenhar esse papel.

O treinador tem e sempre terá uma vida difícil. Seja ela qual modalidade for. Muitas vezes terá ao seu dispor poucos recursos externos. Terá sempre um enorme número de variáveis que precisa conhecer e, como tal, terá de buscar nos seus recursos internos o combustível para se fazer crescer na adversidade, assim como fazer crescer os seus atletas.

Quer seja com jovens, quer seja com adultos, quer seja com homens, quer seja com mulheres, quer seja com dinheiro, quer seja sem dinheiro, o treinador terá sempre a ideia que está só. Quase sempre… Nas decisões boas ou más, no “apontar do dedo”, na valorização ou desvalorização do seu trabalho, ele sentirá sempre que poderia ter feito diferente, que poderia ter dito diferente, que poderia ter escolhido diferente. Por isso é que, como treinador que também sou, senti que fazia falta algo para ajudar a ultrapassar este sentimento. Algo para auxiliar o processo de autoconhecimento do treinador e que o orientasse no seu desenvolvimento pessoal.

No prefácio, António Fidalgo, conhecido por muitos do mundo do futebol, antigo jogador do Benfica, Sporting, Salgueiros, Espinho, Braga, Leixões e Estoril, tendo tido várias presenças na Selecção Nacional, tendo sido ainda treinador no Estoril, Salgueiros, Varzim e Campomaiorense (campeão nacional da 2ª divisão), comentador e analista na RTP e Rádio Renascença, antigo Director Desportivo no Campomaiorense e no Marítimo, refere que “O domínio das componentes mentais, na vida e no desporto, permite muitas vezes, fazer a diferença pela diferença. Quem é mais competente nas áreas físicas, técnicas e estratégicas, normalmente consegue grandes feitos. Quem adiciona a estas componentes, competências nas áreas mentais e emocionais consegue feitos excepcionais”.

A obra conta também com a colaboração de várias personalidades e treinadores ilustres nacionais, nomeadamente: Professor Jorge Tormenta (Ex-seleccionador Nacional de Andebol Feminino, comentador de Andebol da RTP, Coordenador do DesportoFederado do Colégio de Gaia), Professor Dr.Bruno Travassos (Professor na Universidade da Beira Interior, Treinador de Futsal da AD Fundão – 1ª divisão, ex-seleccionador distrital de Castelo Branco, autor da 1ª tese de doutoramento sobre o tema do futsal, autor do livro “A Tomada de Decisão em Futsal), Carlos Resende (com um currículo invejável enquanto jogador, onde foi várias vezes campeão nacional de andebol e teve inúmeras internacionalizações ao representar a selecção nacional, é dos poucos que conta também já com um título de campeão nacional enquantotreinador), Carlos Carvalhal (Treinador de futebol, foi coordenador técnico no Al Ahly – Dubai, foi treinador no Besiktas (Turquia), Sporting, Marítimo, Braga, Belenenses, Vitória de Setúbal (onde venceu uma Taça da Liga e qualificouse para a Taça UEFA) e Leixões (onde foi a 1ª vez que uma equipa da 2ª Divisão B foi finalista da Taça de Portugal, tendo sido qualificado para a Taça UEFA), Luís Sénica (é coordenador técnico nacional e foi seleccionador Nacional de Hóquei em Patins, várias vezes campeão nacional pelo Benfica, vencedor da Taça de Portugal, vencedor da Taça CERS, tendo sido também campeão europeu), Professor Mário Barros (Treinador de Basquetebol com 60 anos de carreira, foi coordenador técnico do basquetebol masculino do Académico FC, foi seleccionador nacional de Sub-18 e coordenador do CAR Jamor e também seleccionador nacional de Juniores; conta com 13 títulos nacionais de Juniores e Cadetes masculinos pelo FC Porto e Vasco da Gama e esteve presente em 15 fases finais consecutivas de Juniores e Cadetes masculinos entre os anos de 1968 e 1982; é prelector em várias acções de formação da AB Porto e EN Basquetebol), Vera de Bettencourt (foi Treinadora de futsal feminino sénior do Sporting, campeã distrital, e anteriormente foi treinadora campeã nacional por 5 vezes com a equipa de futsal feminino do SL Benfica), Orlando Duarte (ex-seleccionador Nacional de Futsal, ex-treinador campeão nacional pelo Sporting por 9 vezes, tendo sido em2010/11 vencedor da Supertaça, Taça de Portugal, CampeonatoNacional e finalista da UEFA Futsal Cup, Campeão actual da Letónia pelo FC Nikars Riga), Paulo Tavares (uma referência do futsal português, actual treinador de Futsal do SC Braga, tendo passado anteriormente pelo Miramar, Famalicense, FundaçãoJorge Antunes, Modicus e CSKA de Moscovo), Jorge Braz (Seleccionador Nacional de Futsal desde 2010, anteriormente técnico-adjunto de Orlando Duarte na selecção).

Com a colaboração destes amigos a obra tornou-se mais valiosa em termos de partilha e com mais interesse em relação às suas perspectivas.

Isto será só o ponto de partida de um caminho a fazer, em direcção a grandes conquistas.

Este livro pode ser adquirido nas principais livrarias do país, WooK e Fnac

“Não há livros com fórmulas mágicas que nos transformem em treinadores de excelência. Mas, há livros que podem ser excelentes guias e excelentes conselheiros para quem quer chegar a esse estatuto. Este livro é um muito bom exemplo.”

COMO SER UM TREINADOR DE EXCELÊNCIA

de Alcino Rodrigues

Edição / impressão: Dezembro 2014

Idioma: Português – Portugal

Páginas: 166

Editor: Chiado Editora

ISBN: 9789895124992

Sem comentários

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior Torneios Interassociações Futebol Feminino Sub-16 de futebol 7 primeira fase
Próximo A TECNOLOGIA NA INFÂNCIA. SIM OU NÃO?