O que é ser treinador de futebol de formação?

Vou neste texto expressar o que para muitos colegas treinadores, é realmente ser treinador de futebol de formação, pois não na totalidade dos casos, mas numa grande maioria, é o que acontece.

Será que realmente a nossa função é apenas ser treinador? Pois bem pelo que observo, e eu próprio já passei por estas situações, o treinador tem vários desafios diários, e vou enumerar alguns.

Quais são os nossos desafios diários?

Organização de um treino de qualidade, ups, qual o espaço? E quanto tempo? Apenas tenho meio campo, ou um quarto de campo para treinar, e apenas tenho 1 hora, duas vezes por semana. A tarefa torna-se um pouco mais difícil, mas temos de arranjar soluções, para conseguirmos ter um treino eficaz e que vá de encontro aos objetivos dos jovens atletas. Era muito mais fácil ter um campo inteiro, 1h30, duas ou três vezes por semana, mas não, isso não acontece à maioria dos treinadores.

Nas equipas técnicas existe um treinador de Guarda-redes, um preparador físico, e um treinador adjunto???  Em alguns casos sim, mas na maioria, apenas existe o treinador, e em algumas situações existe um treinador adjunto, que também faz o papel de preparador físico e treinador de Guarda – Redes.

Por falar em treino de Guarda – Redes, que imensa confusão me faz na atualidade, os clubes não terem um treinador de guarda-redes para fazer treino específico, pois é através desse treino específico, que os guarda-redes vão adquirir outras competências. É verdade muitos clubes, apenas possuem alguém que está disposto a ajudar e então faz uns remates ao Guarda-redes durante o treino, ou no aquecimento dos jogos, acho que isto não se pode chamar “Treino específico de Guarda Redes”

Durante o treino alguém se magoa, ups, não existe ninguém capacitado, para prestar a assistência ao atleta, também temos de fazer o papel de “paramédicos”, e fazer o nosso melhor para o bem-estar do atleta, e tentar ajudar dentro das nossas competências. É verdade a maioria das equipas, não possuem ninguém capacitado para prestar assistência quando um atleta se magoa.

Verificamos que um atleta não está a passar um boa fase na sua vida pessoal, o que afeta o seu empenho e rendimento no treino e competição, e que passa por momentos menos positivos, e temos de intervir, e ajudar o atleta a ultrapassar estas dificuldades, fazendo muitas vezes o papel de “psicólogo”. Sim é verdade, quase nenhum clube possui um psicólogo para poder ajudar em situações mais complicadas que nos surgem.

Mas não é a única vez que os treinadores têm de ser “psicólogos”, pois também têm de gerir o grupo de pais. Pois em vários clubes não existe uma estrutura que faça essa parte, e acaba essa tarefa por ser para os treinadores. O que não devia acontecer, para evitar determinadas situações.

E será que os treinadores são remunerados por tudo aquilo que significam para o futebol de formação, assumindo muitas vezes várias funções dentro da equipa, e ainda têm de fazer o que realmente estão a fazer no treino “Treinar”. Os treinadores trabalham horas, a planear os treinos, as estratégias, o modelo de jogo, a treinar durante a semana, e durante o jogo ao fim de semana.

Pois é, e a remuneração dos treinadores de futebol de formação é adequada???  Na maioria das vezes apenas dá para os gastos de combustível, e na minha opinião existem duas situações que nos levam a isso:

1 ° Os treinadores, com o “boom” de treinadores, muitos se for preciso até trabalham de graça para ganhar o seu espaço, o que leva a uma bola de neve, que deixa os treinadores nessa situação.

2° Como é possível no início de cada época, as associações permitirem, que os clubes, entreguem um documento a declarar que o treinador não recebe nenhuma remuneração por parte do clube???  Como é que uma associação,  permite esta situação e compactua…

É esta a vida de treinador de Futebol de Formação. O que nos move???

É a paixão pelo futebol de formação…

2 Comentários

  1. Avatar
    José Júlio Jesus da Rocha
    4 Março, 2019
    Responder

    Nada mais certo, Parabéns pela coragem

  2. Avatar
    Francisco Abreu
    4 Março, 2019
    Responder

    Excelente reportagem sobre esse assunto!

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior "TORREENSE CRIA ESCOLA PARA EDUCAR PAIS NO FUTEBOL"
Próximo Psicologia, lesão desportiva e a “dor” do atleta