Onda de agressões a árbitros em Portugal nunca antes vista, grande parte nos escalões de formação !


A APAF mostra cartão vemelho à pressão, aos danos e às agressões que os árbitros têm sido expostos. Foto: Rui Minderico/Lusa

O “Jornal de Notícias” revela que já ocorreram 35 casos de agressões a árbitros, em Portugal, esta temporada. Pertencem todos a escalões não profissionais e de formação. Mais de um terço dos árbitros é menor de idade,

O ambiente de crispação em redor da arbitragem em Portugal não parece ter fim e, esta época, já foram contabilizados 35 casos de agressões a árbitros, 12 são menores de idade.

O “JN” noticia, na edição desta terça-feira, as ocorrências que vieram a público e, através dos dados oficiais da Associação Portuguesa de Árbitros Profissionais (APAF), o jornal indica que os casos de violência estão todos ligados a escalões não-profissionais e de formação.

De acordo com dados oficiais da Associações Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) a que o JN teve acesso, os casos multiplicam-se por 12 distritos, alastram à Madeira, não olham a idades. Dos 35 árbitros agredidos, 12 são menores de idade. Lisboa é o distrito onde ocorrem mais casos, cinco. Seguida de Aveiro, Braga e Coimbra, com quatro ocorrências, e depois do Porto, onde reside a maior associação de futebol do país, com três casos registados.

Árbitros não estão para isto

Segundo o “Jornal de Notícias”, vários árbitros já desistiram de exercer, devido aos acontecimentos acima mencionados. Além disso, houve quem já tivesse que recorrer a intervenções cirúrgicas devido às agressões sofridas.

Como se não bastasse, não se fica apenas pelas agressões físicas. A APAF já contabilizou também seis viaturas de árbitros danificadas e já foram apresentadas 53 participações às autoridades.

APAF no Parlamento

De forma a combater a violência aos árbitros presente no futebol português, a APAF vai ao Parlamento debater ideias que solucionem a situação. Ao “JN”, o presidente do órgão referiu que o encontro ainda não tem data agendada, mas que vão estar presentes o Conselho de Arbitragem, a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga de Clubes.

O presidente da APAF afirmou que “nesta altura, todas as possibilidades estão em cima da mesa, incluindo a paragem”. A hipótese já tinha sido mencionada anteriormente devido ao clima de crispação que se faz sentir na arbitragem portuguesa.

Fonte: Jornal de Noticias e Rádio Renascença

Sem comentários

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior ENTREVISTA: RICARDO CORREIA COORDENADOR TÉCNICO DO UNIÃO SPORT CLUB DE SANTIAGO DO CACÉM
Próximo TOCOF: O FUTEBOL É DE TODOS E PARA TODOS, COM BRUNO BAPTISTA E VALTER PINHEIRO