Há uma enorme lacuna no mercado de transferências que raramente é discutida e que é seriamente prejudicial para o Futebol de Formação. A diferença entre a quantia devida aos clubes por formação de jogadores durante os seus anos de desenvolvimento e os pagamentos realmente recebidos por esses clubes está aumentando e tornou-se um problema tal que a FIFA está criando um mecanismo pelo qual o órgão governamental se encarregará de processar todas as recompensas de diretos de formação .

Foi estabelecido há muito tempo que os clubes que formam jogadores entre os 12 e os 23 anos são compensados ​​pelos seus direitos de formação se o jogador se tornar jogador profissional. Isso ocorre na forma de Compensação de Formação (pago quando um jogador é registado pela primeira vez como profissional ou se um jogador é transferido entre clubes de associações/federações diferentes antes do 23º aniversário) ou na forma de Contribuições de Solidariedade (pagas quando um profissional é transferido antes da expiração de um contrato).

No entanto, o dinheiro simplesmente não está fluindo para os lugares onde deveria, e não chega à maioria dos clubes formadores.

Quando um jogador é transferido, o clube que assina o contrato tem a obrigação de dividir 5% do valor da transferência entre os clubes que formaram o jogador entre os 12 e os 23 anos, mas isso não acontece“, afirmou o Diretor Jurídico da FIFA  Emilio García durante o World Football Summit 2019 evento realizado em Madrid, em setembro passado, onde ele também explicou ao público a enormidade  e a diferença entre as taxas (valores) devidas em contribuições de Solidariedade e Compensação por Formação e os valores efetivamente pagos.

Em 2018, por exemplo, seriam distribuídos 351,5 milhões dólares em Contribuições de Solidariedade, mas apenas 67,7 milhões dólares foram realmente pagos. Isso corresponde a apenas 19,3%. O preocupante é que esse percentual vem diminuindo nos últimos anos; e em 2013 subiu para 28,1%

Embora ainda não seja suficientemente alto, foi muito melhor do que a situação no atual mercado de transferências, um mercado que está passando por mudanças drásticas. “O sistema que funcionava anteriormente e que está funcionando agora precisa ser revisto”, disse García sobre os regulamentos da FIFA sobre status e transferência de jogadores .

WFS 2019 – The FIFA Clearing House: Q&A With FIFA’s Chief Legal Officer

“De momento, estamos estudando as possibilidades, mas a primeira é o acesso ao mercado de transferências para clubes que se recusam a transferir o valor para os clubes que desenvolveram o jogador ”, Emilio García, diretor jurídico da FIFA

A solução da FIFA é que o órgão governamental centralize e controle melhor a distribuição desses pagamentos. A Câmara de Compensação da FIFA  (FIFA TMS Clearing House and Electronic Player Passport), uma entidade separada que será criada sob o controle total do corpo diretivo, é um projeto que foi aprovado em Outubro de 2018 e foi realizada uma consulta para encontrar parceiros com conhecimentos técnicos e financeiros para ajudar a FIFA a gerir esses fundos.

Embora Emilio García não pudesse comprometer-se com uma data, como lhe foi perguntado quando o novo sistema poderia ser implementado pelo entrevistador David Álvarez , jornalista do El País , foi revelado que a janela de inverno da temporada 2020-21 poderia ser a primeira a funcionar usando a Clearing House. Sempre que é posta em ação, os clubes menores que dedicam horas e horas de treinos de formação para desenvolver as estrelas do futuro serão beneficiados.

O dinheiro está sendo mantido longe dos clubes que realmente formaram os jogadores“, disse García sobre a situação atual. “Existe claramente uma enorme lacuna e o que vamos tentar fazer com a Câmara é resolver isso“.

João Felix, do Atlético de Madrid.

Por meio de passaportes de jogadores eletrônicos que acompanham jogadores a partir dos 12 anos de idade, a FIFA poderá monitorar com precisão o local onde um jogador foi formado e garantir que essas instituições, não importando quão grandes ou pequenas, sejam compensadas de receberem alguma compensação por esse jogador. Embora seja fácil para os primeiros clubes que desenvolveram grandes estrelas como Eden Hazard ou João Félix para aprender com os mais recentes movimentos dos seus ex-jogadores, nem todas as transferências chegam às primeiras páginas e os clubes não sabem de todas as transferências que poderiam ser recompensados por isso. Portanto, a FIFA está eliminando a necessidade de perseguir/reclamar esses pagamentos.

É vital, portanto, que as informações sejam registradas com precisão através dos passaportes electrónicos e do Conjunto de transferências e registos de futebol digital da FIFA (FIFA Digital Football Registration and Transfer Suite), e é por isso que ferramentas de tecnologia gratuitas estão sendo disponibilizadas para ajudar as federações nacionais.

E se os clubes não depositarem os valores correctos na FIFA e nos seus parceiros? 

Nesse caso, haverá sanções. “No momento, estamos estudando todas as possibilidades, mas a primeira que estamos analisando é fechar o acesso ao mercado de transferências para os clubes que se recusam a transferir o valor para os clubes que formaram o jogador ”, disse García, enviando uma mensagem para quão seriamente a FIFA está levando esse problema.

Este é apenas o começo da centralização de pagamentos da FIFA associada a transferências. García também disse aos presentes no World Football Summit que há planos de fazer melhorias no campo das comissões de agentes de futebol. Enquanto García enfatizou que os representantes dos jogadores desempenham um papel vital, ele expressou preocupação com o fato de que 548 milhões dólares foram gastos em comissões de agentes em 2018, enquanto apenas 90 milhões dólares foram transferidos para clubes sob a forma de Contribuições Solidárias e Compensação de Formação.

Uma vez que a FIFA se torne intermediária nesse campo, intermediária na defesa dos interesses do futebol de base (Formação) dos clubes formadores como principal causa, esse problema poderá ser resolvido adequadamente. É um projeto que promete agitar o mercado de transferências de futebol como o conhecemos.

Fontes: WFS 2019, por Euan McTear

Sem comentários

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior Jogar com medo ou jogar a medo?
Próximo NÃO É FÁCIL SER TREINADOR