Muitas vezes ouvimos falar sobre os comportamentos menos bons dos pais no futebol de formação, quer seja pais que pensam que são treinadores, pais com comportamentos impróprios, entre outros. No entanto, este artigo não é sobre isso. É sobre a irresponsabilidade que é não “puxarem” pelos vossos filhos!

Ankersen (2015) descobriu que na sombra da maioria dos melhores atletas do Mundo estão pais estimulantes, exigentes, altamente investidos e que assumiram um papel activo no desenvolvimento dos seus filhos. Ele defende que é importante ter adultos que “puxem” pelos seus filhos, que os lembrem das suas responsabilidades e que os façam cumprir com os seus compromissos. Lições que se aprendem no futebol e vão muito para além da área do desporto.

Por esta altura alguns leitores devem estar a abanar a cabeça em desacordo com o autor, alegando os casos em que pais “puxam” em demasia pelos filhos, no sentido em que projectam neles os seus próprios sonhos de vida, que por um motivo ou outro, não os conseguiram cumprir. Tudo certo. Contudo, só porque tu “puxas” pelos teus filhos não significa que estás a fazer isso por ti mesmo e não por eles!

Como pais, uma das piores coisas que se pode fazer pela auto confiança dos filhos é permitir-lhes desistir! Muitas pessoas só vão apreciar que uma actividade é divertida se se sentirem bons nela. E para se ser bom em alguma coisa temos de trabalhar arduamente e ultrapassar obstáculos, o que é exigente e envolve desconforto. É neste tipo de situação que as crianças têm de olhar para os pais como pilares de força e confiança. Não há nada melhor para uma criança construir confiança, que aprender que consegue fazer algo que pensou que não conseguia!

Pais que critiquem a ideia de “puxar” pelas crianças são muitas vezes os mesmos pais que enquanto os seus filhos estão nos treinos ou competições eles vão ao cabeleireiro, às compras ou ficam em casa a ver televisão indo-os buscar no final da actividade.

Verdadeiros pais são aqueles que acompanham os filhos, tratam dos transportes, viagens, lanches, equipamentos e fazem esforços físicos, monetários e até emocionais para estarem sempre ao lado deles.

“No matter how gifted children may be, they do not develop their gifts without a parent behind them, encouraging,stimulating, and pushing”

Ankerson, R. (2015) The Gold Mine Effect: Crack the secrets of high performance. 2ªEdição. UK: Icon Books Ltd.

Sem comentários

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior POLICIAMENTO É A SOLUÇÃO?
Próximo Versatilidade vs Especialização