O futebol de formação esconde histórias maravilhosas. Algumas são mais felizes do que outras, mas há sempre ações que devem ser destacadas.

Neste caso o papel pedagógico que este árbitro teve durante um jogo de benjamins, são crianças que estão em crescimento e em processo de formação no futebol… aconteceu no último fim de semana em Salamanca , no duelo entre as equipas de Ciudad Rodrigo e Barrio El Zurguén , da Liga Provincial Benjamin.

Na última jogada do jogo, a equipa da casa sofreu um livre à entrada da área. Foi então quando David Téllez, o árbitro, desempenhou um papel que mostra que o seu trabalho no futebol de base vai muito além de uma simples arbitragem.

“Eu vi o guarda-redes da Ciudad Rodrigo colocar dois colegas na barreira, mas ele colocou-os mal, mesmo fora do gol. Então eu fui e disse-lhe que se ele queria que eu o ajudasse e ele disse que sim. Coloquei-me junto ao poste com ele e disse-lhe como ele tinha que fazer e ajudei-o a colocar a barreira”,explicou o próprio árbitro. Não foi a única ação desse tipo que ele protagonizou no jogo.

Já no primeira parte, Téllez consolou um jogador do bairro de El Zurguén depois de ter cometido uma grande penalidade: “Ele jogou a bola com a  mão e eu tive que marcar penalti. Eu vi que o menino começou a chorar e me aproximei dele para dizer-lhe para não se preocupar e dei-lhe um abraço. Depois da marcação do penalti, ele chorou novamente, eu disse a ele para levantar a cabeça e continuar jogando porque havia muito jogo pela frente “.

Dois gestos que mostram que a educação e os valores no futebol de formação não são da exclusiva responsabilidade dos clubes, treinadores e dos pais, mas que os árbitros também podem contribuir com um papel pedagógico. Tellez diz que normalmente faz essas ações em todos os jogos que arbitra: “Eu acho que nestas idades (lembrem-se que tem pouco mais de 9 e 10 anos), o importante é  aprender a jogar e a se divertirem, o menos importante é o resultado “.

Muitos pais e treinadores de ambas as equipas agradecem o trabalho do arbitro Tellez: “Os pais aplaudiram-me e alguns até chegaram a apertar a mão. Os treinadores agradeceram e parabenizaram-me no final do jogo “.

2 Comentários

  1. Avatar
    Sebastião
    9 Fevereiro, 2018
    Responder

    Infelizmente em Portugal, já estava a ser acosado de favorecer a equipa e que já tinha recebido “um presunto”. Tenho o meu filho a jogar nos juvenis de uma das grandes equipas Minhotas, tenho ido assistir aos jogos, e é uma tristeza ver e ouvir os comentários dos adeptos das equipas adversárias, tanto para a equipa de arbitragem como para jogadores mesmo da própria equipa.

  2. Avatar
    19 Fevereiro, 2018
    Responder

    Fantástica ATITUDE!

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior Fisiologia no Futebol, conceitos e noções básicas, P1
Próximo O discurso motivacional de um menino de nove anos para motivar toda a sua equipa