Motivação e Formação no Desporto: As seis razões do insucesso escolar (6/6)- Combatividade


O comportamento de cada pessoa é moldado e determinado por impulsos internos específicos, resultando num perfil motivacional diferente de indivíduo para indivíduo, o qual precisamos conhecer para ajustar as estratégias de forma personalizada. Cada aluno requer, por isso, uma abordagem motivacional ajustada à sua personalidade.

No processo formativo, pais, treinadores e professores tendem a impor as suas próprias convicções e a não apelar aos valores e motivos de vida intrínsecos dos estudantes. Esta estratégia é normalmente disfuncional, pois os estudos mais recentes revelaram que cada indivíduo apresenta uma estrutura de motivações única.

Conhecer o perfil motivacional do aluno permite-nos agir de forma atempada e  preventiva, e permite-nos escolher as medidas a tomar de forma muito personalizada e objetiva, logo com muito maior probabilidade de eficácia.

Steven Reiss, investigador e professor emérito da Universidade de Ohio, identificou seis preditores do insucesso escolar, a saber:

  1. Medo do fracasso/problemas de autoestima (positivamente correlacionado com uma elevada necessidade de aceitação/aprovação social).
  2. Baixa Curiosidade (baixa necessidade de conhecimento)
  3. Falta de Ambição (baixa necessidade de influência)
  4. Espontaneidade (baixa necessidade de ordem)
  5. Falta de Responsabilidade (baixa necessidade de honra)
  6. Combatividade (elevada necessidade de vingança)

Artigo6

Legenda: Gráfico Reiss Motivation Profile (RMP) com o perfil motivacional de um atleta/estudante com baixa necessidade na dimensão Vingança. Neste caso o estudante revelará um comportamento pouco combativo e tendencialmente pacificador. Alguns estudantes com resultados elevados na dimensão Vingança, não todos, têm problemas em gerir a sua raiva, podendo tornar-se brutais. A avaliação do perfil motivacional é realizada através do preenchimento de um questionário RMP online devidamente validado. A análise dos resultados é feita por um psicólogo devidamente certificado em RMP, numa ou várias sessões de coaching, com o atleta/estudante e com os pais. A interpretação do perfil exige a análise da interação dos diferentes motivos de vida.

  1. Combatividade (elevada necessidade de vingança)

Resultados elevados nesta dimensão indiciam uma predisposição à confrontação, enquanto que os resultados baixos teoricamente indiciam uma predisposição em evitar conflitos.

O comportamento combativo é uma causa importante do subrendimento ao longo da vida. As pessoas com elevada combatividade podem tender a fazer inimigos onde estão amigos em potência. Na escola, as crianças combativas envolvem-se em lutas no recreio, nas cantinas, nos corredores e inclusivé na própria sala de aula. (Mandel, 1997).

Estes estudantes podem dar o seu melhor em situações competitivas. Beneficiarão de carreiras que premeiam a combatividade, nomeadamente a vida militar, a desportiva e a dos negócios.

Quando um estudante é inapropriadamente combativo, os pais e os conselheiros devem ensinar-lhe a diferença entre a competição socialmente aceite e a agressão ou confrontação excessiva e inapropriada.  Alguns estudantes com resultados elevados na dimensão Vingança, não todos, têm problemas em gerir a sua raiva, podendo tornar-se brutais.

Como podemos apoiar e desenvolver os estudantes com uma combatividade elevada?

– Os pais e outros mediadores educativos devem ensinar-lhe a diferença entre a competição socialmente aceite e a agressão ou confrontação excessiva e inapropriada.

– As regras de conduta ética e moral devem discutidas, clarificadas e aceites.

– Poderão ser criados grupos de apoio específicos para estes alunos, para treino de competências sociais e de gestão da combatividade.

– Deverá ser dado feedback construtivo  sempre que necessário até que as regras sejam interiorizadas e se tornem num hábito.

– É recomendável o treino comportamental nas áreas da assertividade, gestão e resolução de conflitos e da inteligência emocional. Os encarregados de educação deverão ser envolvidos neste treino comportamental.

– Poderão ser operacionalizadas abordagens que valorizem a gestão autónoma dos conflitos.

– Deverá contemplar-se o convívio com personalidades de referência que possam constituir-se como modelos de superação comportamental, académica ou profissional.

– Estratégias de ensino que incluam elementos de competição e gamificação serão vantajosas para estes alunos.

– Os educadores deverão desenvolver competências comunicacionais e de liderança nomeadamente ao nível da assertividade, liderança situacional, inteligência emocional e  gestão de conflitos.

 

Referências:

 Atkinson, J. W., & Feather, N. T. (1966). A theory of achievement motivation. New York: Wiley.

Cacioppo, J. T., Petty, R. E., Feinstein, J. A., & Jarvis, W. B. (1996). Dispositional differences in cognitive motivation: The life and times of individuals varying in need for cognition. Psychological Bulletin, 119, 197–253.

Havercamp, S. H., & Reiss, S. (2003). A comprehensive assessment of human striving: Reliability and

validity of the Reiss Profile. Journal of Personality Assessment, 81, 123–132. Hill, K. T. (1972). Anxiety in the evaluative context. In W. W. Hartup (Ed.), The young child: Review of research (Vol. 2, pp. 225–263). Washington, DC: National Association for Education of the Young.

Ion, F. K., & Brand, M. (2009). 30 Minuten fur mehr work-like balance durch die 16 lebensmotive Broschiert). Frankfurt: GABAL-Verlag.James, W. (1950). The principles of psychology (Vol. 2). New York: Dover (original work published in 1890).

Judah, S. M. (2006). Staying together when an affair pulls you apart. Downers Grove, IL: IVP Books.

Mandel, H. P. (1997). Conduct disorder and underachievement: Risk factors, assessments, and prevention. New York: Wiley.

Mandel, H. P., & Marcus, S. I. (1995). ‘‘Could do better’’: Why children underachieve and what to do about it. New York: Wiley.

McDougall, W. (1926). An introduction to social psychology. Boston: John W. Luce.

Murray, H. A. (1938). Explorations in personality: A clinical and experimental study of fifty men of college age. New York: Oxford University Press.

Olson, K. R., & Chapin, C. (2007). Relations of fundamental motives and psychological needs to well-being and intrinsic motivation. In P. Zelick (Ed.), Issues in the psychology of motivation. Hauppauge, NY:Nova Science Publishers. Child Youth Care Forum

Olson, K. R., & Webber, D. (2004). Relations between big five traits and fundamental motives. Psychological Reports, 95, 795–802.

Reiss, S. (2004a). Multifaceted nature of intrinsic motivation: The theory of 16 basic desires. Review of General Psychology, 8, 179–193.

Reiss, S. (2004b). The 16 strivings for God. Zygon, 39, 303–320.

Reiss, S. (2008). The normal personality: A new way of thinking about people. New York: Cambridge University Press.

Reiss, S., & Havercamp, S. M. (1998). Toward a comprehensive assessment of fundamental motivation:

Factor structure of the Reiss Profile. Psychological Assessment, 10, 97–106.

Reiss, S., & Reiss, M. (2004). Curiosity and mental retardation: Beyond IQ. Mental Retardation, 42, 77–81.

Reiss, S., & Wiltz, J. (2004). Why people watch reality TV? Media Psychology, 6, 363–378.

Reiss, S., Wiltz, J., & Sherman, M. (2001). Trait motivational correlates of athleticism. Journal of Personality and Individual Differences, 30, 1139–1145.

White, R.W.(1959).Motivation reconsidered:The concept ofcompetence. Psychological Review, 66, 297–333.

Zubin, J., Eron, L. D., & Schumer, F. (1965). An experimental approach to projective techniques. New York: Wiley. Child Youth Care Forum

Sem comentários

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior O Modelo de Jogo: Eixo Nuclear do Processo de Treino em Futebol
Próximo QUANDO OS ADULTOS DERROTAM AS CRIANÇAS NOS CAMPOS DE FUTEBOL