O Grupo Desportivo Samora Correia é uma instituição desportiva fundada no dia 8 de Setembro de 1975, com sede na cidade de Samora Correia, concelho de Benavente, distrito de Santarém, é um clube de futebol que visa dar à comunidade local formação desportiva. Todos os nossos atletas têm acesso garantido às nossas instalações e equipamento desportivo. O nosso objectivo é contribuir para a formação desportiva de todos os atletas e promover uma ocupação saudável dos seus tempos livres.

Modelo da Formação do Grupo Desportivo Samora Correia

Qual é a filosofia do Clube em relação à formação?

O clube está em processo de remodelação daquilo que é o seu papel enquanto formador de jovens. A partir da próxima época, o clube terá como filosofia o desenvolvimento do atleta, enquanto cidadão responsável no futuro e enquanto praticante de futebol. Ao nível dos valores a ser passados aos jovens, consideramos fundamental que o “querer ganhar” não passa por cima daquilo que são os valores defendidos pelo clube. Em relação ao desenvolvimento de futebolistas o nosso foco está em prepará-los para serem atletas capazes de triunfar no futebol sénior, sendo primordial o desenvolvimento das capacidades coordenativas e condicionais na altura própria (fases sensíveis), a aprendizagem e desenvolvimento das ações motoras e técnico-táticas, temos uma preocupação grande em perceber o crescimento e maturação dos nossos atletas, bem como potenciar a sua tomada de decisão.
Para além disso, vamos desenvolver um trabalho específico de treino de pontas de lança, para os nossos atletas dos escalões de futebol de 11, que será bastante inovador e desafiante.

Quantos atletas tem na formação e número de equipas por escalão?

Atualmente o clube tem cerca de 170 atletas, mas prevê-se um aumento para a próxima época, devendo rondar os 200, participando em todos os escalões com uma equipa, à exceção dos infantis e iniciados que deverão ter 2 equipas.

Existe uma forma de jogar igual para todas as equipas dos escalões de formação?

Não, nem se pretende que assim seja. Como dizia acima, a ideia é formá-los para serem capazes de triunfar no futebol sénior e dessa forma não poderemos “formatar” os jovens a uma forma de jogar, antes pelo contrário, devemos propiciar o maior número de experiências possíveis, para que se preparem para os mais diversos contextos.

Como são os treinos ao nível do futebol infantil e juvenil?

O clube vai, a partir da próxima época, possuir um guião que irá servir de base para todo o processo de treino. Esse guião irá definir aquilo que são os objetivos de desenvolvimento em cada escalão etário, um pouco como o programa escolar. Em relação ao processo em si, nós trabalhamos por estádios de desenvolvimento e em cada um deles temos 3 treinadores que trabalham em cooperação, sem a definição de um treinador principal ou responsável. Os atletas de cada estádio são divididos pelos 3 treinadores de acordo com o que se pretende desenvolver nessa sessão, sendo que essa divisão nunca é aleatória, e sim pensada com base no desenvolvimento do atleta em específico.

Qual é o perfil de jogador definido para a formação e clube?

Não existe um perfil definido, não estamos no futebol para nos cingir a um estilo ou a um padrão, o que pretendemos é desenvolver (na direção mais indicada) cada um dos jovens que nos aparece. Óbvio que no final da formação é pretendido que o atleta tenha algo que o associe ao clube, mas isso é o resultado da interação do atleta com o clube.

Como são os vossos treinadores enquadrados em termos de perfil por escalão?

Pretendemos que cada treinador conheça o guião do clube e as missões que tem de desenvolver no seu escalão e para isso apostamos na formação dos nossos treinadores, desde o “feedback” até à gestão do plantel. Sendo que existem algumas caraterísticas próprias de cada escalão, que os treinadores se têm de adaptar e estão referenciadas no guião. O resto, que torna o processo mais rico, é a personalidade de cada um dos nossos treinadores (adaptada ao anteriormente descrito) a fazer a diferença. Defendemos que é importante a variabilidade de personalidades, pois permite uma maior diversidade de abordagens, desde que não vão contra os princípios do clube.

Como é o processo de captação e prospeção?

Na fase em que nos encontramos o processo de captação de atletas cinge-se à publicitação de atividades do clube e a convites gerais para participação em treinos abertos, ficando à espera que os atletas venham até nós. No futuro, passará por analisar e identificar jovens de valia que já joguem em clubes das redondezas e por um processo de recrutamento muito forte junto das escolas do concelho.

Nos escalões de formação, Ganhar ou Formar?

Essa pergunta é relativamente fácil de responder: ninguém ganha sem Formar. O foco principal passa por munir os nossos atletas das melhores “ferramentas”, o que trará vitórias, apesar de não ser o nosso objetivo primordial. Óbvio que o objetivo de cada jogo é “introduzir a bola na baliza contrária e impedir que o adversário o faça na nossa” mas a forma como se procura chegar a esse objetivo é que faz a diferença. Não vamos ter jogadores que não jogam, ou jogam apenas os últimos 5 minutos (quando o jogo está ganho ou perdido) para poder vencer uma partida, vamos antes preparar todos para estarem prontos para competir, criar competição de nível certo para todos, ou seja respeitar todos os jovens.

O clube faz separação entre equipas de formação e competição? Como é feita a integração?

Não, achamos que uma coisa está integrada na outra. O clube tem um modelo de formação e a integração no escalão seguinte está preparada nesse mesmo documento.

De que forma é feito o acompanhamento de desempenho escolar dos atletas?

Estamos neste momento a conversar com as escolas do concelho, para que possamos estar a par do percurso escolar de todos os atletas. Para além disso, estamos a reunir esforços para que o clube tenha um espaço de qualidade para que os atletas possam ter a possibilidade de estudar, com o acompanhamento devido, nas nossas instalações. A criação de protocolos com entidades de apoio ao estudo é outro dos assuntos que estamos a rever.

Que avaliação faz dos quadros competitivos ao nível da formação em Portugal, tem sugestões de melhoramento?

Acho que há lugar para várias melhorias. Em 1º lugar acho que, ao nível distrital, a divisão dos clubes em 1º e 2º divisão na maior parte dos distritos é absurda. Os únicos distrito que têm número de clubes que o justifique são Lisboa, Porto e Braga. Até porque há lugar a muitas desistências e ficam, por vezes, 1ª divisões com um número bastante inferior às 2º divisões. Depois temos a questão de a maior parte dos clubes não têm estrutura para serem competitivos em todos os anos de nascimento, fazendo com que muitas vezes subam para o patamar acima (Campeonatos nacionais ou 1º divisão distrital) e não tenham qualidade para andar a esse nível, fazendo com que percam os jogos quase todos e por números dilatados, que faz com que quem ganha não evolua e quem perde também não.

Na minha perspetiva, uma das formas de combater isto era criar escalões diferentes do futebol distrital para o nacional, ou seja, haveria lugar a um campeonato de sub-14 distrital, com o vencedor a apurar-se para o campeonato nacional de sub-15; um campeonato distrital de sub-16 apurando para o campeonato nacional de sub-17; e um campeonato distrital de sub-18, apurando para o campeonato nacional de sub-19. Para que os atletas sub-19 que não estavam a disputar campeonatos nacionais haveria uma competição distrital/regional. Desta forma, os campeonatos seriam muito mais competitivos e permitiriam a evolução dos atletas. Há várias outras situações a desenvolver, mas considero que estas duas são fundamentais.

Qual a vossa perspetiva e mais valias vem trazer o novo campeonato nacional de sub-23?

Acho que é uma boa forma de integrar jovens que despontam no campeonato nacional de Juniores, penso que se os interesses dos jovens portugueses continuarem a ser protegidos, como me parece que estão neste regulamento, será positivo.

De que forma o vosso complexo desportivo ao nível de infraestruras e campos potencia o futebol de formação no clube ?

Nós temos, neste momento, condições fantásticas para um clube desta dimensão. Possuímos um campo de relva natural de futebol de 11, um campo sintético de futebol de 11 e um campo de relva natural de futebol de 7. Ao nível dos balneários espera-se que durante esta época desportiva sejam concluídos os trabalhos para termos um novo edifício de apoio com 4 balneários, posto médico, balneário para Árbitros, salas de reuniões, etc. Isto a juntar ao edifício atual, que possui 2 balneários, 1 ginásio, 1 posto médico e 1 balneário para árbitros, bem como uma sala de reuniões. Enquanto as obras não estão concluídas mantemos vários contentores para que haja balneários para todos.

Que melhorias ao nível da formação nos clubes vem trazer o novo Modelo Global e Integrado de Entidades Formadoras da FPF  ?

É um início. Penso que esta direção da FPF tem trabalhado muito bem para que o futebol português dê passos largos para a sua evolução e veremos resultados daqui a uns anos.

Segue o site FDF Futebol de Formação, como avalia o nosso trabalho e ocorre-lhe alguma sugestão?

Acho que o vosso site é muito importante na divulgação das boas práticas no treino de jovens, para além de ser muito ativo no ato de informar os demais para aquilo que é o tema a que se propõem. Desde já agradeço o convite para a entrevista e espero que daqui a um ano possamos voltar a falar para fazer um balanço daquilo que será a nossa evolução. Queria, também, convidar todos aqueles que tiverem o interesse em conhecer o nosso projeto desportivo a contactar-nos que teremos todo o gosto em responder.

André Ferreira - O nosso entrevistado

Data de Nascimento: 19/02/1988
Naturalidade: Suiça
Clubes representados: ADC Diogo Cão; SC Vila Real; UDR Algés; Central 32; SC Covilhã; ID Vieirense; SCU Torreense; AD Oeiras, AE Católica LSBE; Sofia Farmer FC; GD Samora Correia
Cargo: Diretor Desportivo
Curso/Formação: Mestrado em Treino Desportivo – Futebol / Nível II
Clube: GD Samora Correia

Website GD Samora Correia Facebook GD Samora Correia

Obrigado ao GD Samora Correia e ao seu Diretor Desportivo André Ferreira por esta entrevista, partilha de conhecimento e pela mensagem que nos deixam, mais conhecedores e enriquecidos sobre o futebol de Formação em Portugal.

Aos nossos leitores esperamos que tenham gostado, e podem deixar uma mensagem ao André Ferreira nos comentários aqui no site. Obrigado a todos.

Sem comentários

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior Amadorismo Mental
Próximo Entrevista a Luís Parente Psicólogo do Desporto