Deixemos de lado a ideia que dia do pai são todos os dias, porque, efectivamente o são!

Neste dia em que se comemora o Dia do Pai, a equipa do FDF pretende apenas e só agradecer aos milhares de pais que diariamente contribuem decisivamente para o Futebol de Formação.

Temos os pais treinadores, os pais dirigentes, os pais árbitros e os pais que são unicamente pais ! A todos eles existe dois denominadores comuns ; ser pai e estar ligado ao futebol de formação . Sem estes pais não haveria futebol, estes pais acabam por muitas vezes organizar a sua vida tendo em consideração as actividades desportivas dos filhos, quantos não conhecemos que levam um ao futebol, pelo meio levam o outro filho ou filha ao Basket ou outra modalidade qualquer, enfim também os poderíamos apelidar de pais Uber ou pais Táxi se preferirem.

Quantos pais não substituem os verdadeiros pais de alguns praticantes pois , os vão buscar e levar a casa, por vezes acautelam que o miúdo se comeu ou não, por vezes lá aparece umas botas de futebol , um impermeável, um casaco mais quente , uma térmica para jogos, etc etc a esses por vezes e entre nós chamamos de Padrinhos !!!!!

Há ou não diferença entre os árbitros, treinadores, dirigentes, massagistas, fisioterapeuta etc etc pais e os não pais ?

Haverá, porque a experiência de ser pai altera logo a forma de ver as coisas, na maioria das vezes permite ver as coisas com mais maturidade outras vezes inibe de ver as coisas mais simples porque os não pais serão,mais pragmáticos nas observações. Infelizmente com muitas excepções a maioria dos pais quer o melhor paa os filhos e estão dispostos a moldarem, alterarem, adequarem à sua vida em prol e na defesa da felicidade dos filhos mas não será óbvio ser assim ?

Será que em pleno Séc XXI não estarão os pais a preocuparem-se e envolverem-se em demasia na vida dos miúdos ?

Será que os pais não estarão a condicionar e influenciar os miúdos por exemplo a manterem a actividade futebol só porque o pai quer ?

Como pai deveremos de uma forma muito constante ir perguntando se os nossos filhos estão felizes e se estão a divertirem-se no desporto que praticam caso contrário não estaremos a zelar pelo seu bem estar. Quantos pais árbitros, dirigentes, treinadores perante uma determinada situação terão colocado a hipótese de ser o seu filho e como gostaria de ver o assunto resolvido ?

Se calhar poucas vezes ….. porque se calhar a mentalidade do adulto não lhe permite ser mais do que o célebre ditado “olha para o que eu digo não para o eu eu faço“ e qual será a melhor forma, tratar todos como se fossem seus filhos ou não ?

Um pai treinador depois de dar um puxão de orelhas a um seu formando tem a sensatez e maturidade de ouvir um colega treinador fazer o mesmo ao seu filho? Esta situação é a mesma para os restantes pais que estão envolvidos em funções específicas no futebol de formação.

E aqueles que só são pais ? Estarão mais à vontade que os que não estão envolvidos no processo ?

Até podem estar mas não possuem as mesmas informações e conhecimentos dos outros logo podem ser mais pragmáticos por isso ? Não é fácil ser pai ainda mais estando na primeira pessoa envolvida no processo formativo pois a responsabilidade aumenta, e além disso aumenta a responsabilidade de não deixar de ser pai a tempo inteiro.

Por isso agradecemos a todos os pais que diariamente tornam possível a existência do desporto de formação e em particular o Futebol.

Sem comentários

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior FUTSAL FAIR PLAY: Benjamins CF Oeiras e Estoril Praia Futsal, dão bom exemplo!
Próximo Dar tempo ao tempo