“Temos de saber perder”, é uma frase que nos foi repetida, pelos nossos pais, vezes sem conta na nossa infância e que provavelmente repetimos aos nossos filhos, esperançosos de que consigam assimilar, de forma mais suave, as más fazes da vida e assumam a derrota com espírito positivo.

No entanto, não há melhor forma de os ensinar a perder do que os deixar perder, algo que os pais não sabem fazer. A tendência dos adultos de deixar ganhar as crianças para que se sintam felizes poderá deixar marcas no fórum psicológico.

Em muitas ocasiões, quando brincamos com as crianças, fingimos uma derrota para que não entristeçam ou façam birra. Desta forma contribuímos para a felicidade delas, pois experienciam uma sensação agradável de poderio. No entanto também lhe estamos a arrebatar a possibilidade de desenvolver as estratégias psicológicas necessárias para lidar com a derrota e o fracasso na vida real, e assim minimizar o desgosto de uma derrota.

A tendência a facilitar-lhes a vida às crianças é normal e não é danosa, mas em certas ocasiões pode tornar-se incontrolável para nós. Quando tentamos facilitar-lhes absolutamente tudo, não pensamos nas consequências que a nossa atitude acarreta na formação da sua personalidade.

Neste sentido, um estudo realizado na Universidade de Virgínia com crianças de 4 e 5 anos revelou que às crianças a quem se lhes oferece uma vitória imerecida desenvolvem uma percepção distorcida das suas capacidades.

Estes psicólogos comprovaram que quando as crianças têm muito êxito numa tarefa são menos conscientes da informação relevante que podem usar para aprender sobre o mundo, já que consideram que esta é menos importante dado que alguém lhe está a facilitar o caminho. Na prática, resolver os problemas no seu lugar, impede-os de desenvolver as ferramentas necessárias para solucionar os problemas por si próprios.

PORQUE É TÃO IMPORTANTE QUE AS CRIANÇAS APRENDAM A PERDER?

Protegemos e reforçamos a sua auto-estima, pois quem saber perder não encara a derrota como algo pessoal, como uma falta de capacidade ou de valência, mas sim como algo normal, que pode ocorrer em várias situações e que se pode reverter. Portanto as derrotas não afectam a sua auto-estima, pelo contrário reforçam-na.

Melhora as suas habilidades sociais, pois sabe participar e jogar com desportivismo, de forma que não se zanga com os colegas quando perde, nem gera dai conflitos.

Aprende a concentrar-se na actividade, mais que nos resultados, pelo que deixa de pensar em termos de êxitos e fracassos, desfrutando muito mais do caminho.

Compreende a importância da perseverança e do esforço, centrando-se na possibilidade de mudar a partir do erro, em vez de atribuir o êxito à boa sorte.

Desenvolve uma melhor tolerância à frustração, sendo capaz de visualizar os obstáculos como desafios, o que lhes permite lidar melhor com a adversidade, sem desmoronar, e sair mais fortalecidos das situações.

Aprender a ser mais cooperante e ajudar o outro em vez de desenvolver uma atitude mais competitiva e egoísta que pode trazer-lhe dissabores ao longo da sua vida.

Desenvolve uma auto-imagem mais realista, que lhe servirá para enfrentar os futuros objectivos da vida, já que é consciente das suas capacidades, habilidades, potencialidades e limitações.

ENTÃO NUNCA DEVEMOS DEIXÁ-LOS GANHAR?

O jogo deve ser sempre uma experiência divertida, mas não podemos esquecer que também é uma excelente oportunidade de aprendizagem. Se os pais permitem que os filhos ganhem sempre, estão a impedi-los de se prepararem para as derrotas que sofrerão ao longo da vida. No entanto, se a criança perde sempre, é provável que desenvolva uma grande frustração.

Portanto podemos, por vezes, deixa-los ganhar. Ainda que a melhor estratégia consista em equiparar as forças no jogo. Por exemplo: pode-se dar um pouco de vantagem antes de começar para que a competência seja mais justa.

Quando são pequenos também podemos dar prioridade aos jogos de azar em detrimento daqueles que exijam habilidades mais complexas, já que desta forma não é necessário deixá-los ganhar e nós, os adultos, tão pouco teremos vantagem.

Obviamente a idade da criança é um factor determinante. Nas idades mais tenras os conceitos de vitória e derrota costumam ser irrelevantes, já que a criança desfruta mais do jogo em si, não o assumindo como um desafio. Nessa primeira etapa o mais importante é que a criança aprenda a respeitar as regras.

Mais para a frente, à medida que a criança vá crescendo, vá desenvolvendo as suas habilidades e começa a procurar a sua aprovação social, dará mais importância à competência e aos resultados dos jogos; ainda que isso também dependa da relevância que os pais conferem ás vitórias. Se desde pequenos os ensinamos a desfrutar do caminho, mais que a concentrar-se no resultado final, o peso de uma derrota não será tão grande.

No entanto, aproximadamente a partir dos 4 anos, os pais deveriam começar a trabalhar os conceitos de vitória e derrota, sem truques. Devemos ter em conta que quando as crianças perdem têm a oportunidade de lidar com a situação, com os sentimentos que gera e recuperar-se.

COMO CONSEGUIR QUE AS DERROTAS SE CONVERTAM EM VITÓRIAS?

– Validar os seus sentimentos centrando-se na parte positiva. Perder não assenta bem, mas não se trata de sentir pena pela criança, mas sim validar as suas emoções e ajudá-lo a centrar-se no positivo, fazendo-o ver o quanto desfrutamos do jogo.

Assumir a derrota como uma oportunidade de aprendizagem. Se explicares ao teu filho que perder não é algo negativo mas sim uma oportunidade para aprender e crescer, este tipo de situações não o afectarão tanto.

– Alterar os conceitos de vencedor e perdedor. Na realidade, não ganha quem vence o jogo mas sim quem mais desfruta da actividade, aprende, coopera e não se rende perante os obstáculos. Portanto, é importante que não fales demasiado com o vencedor nem ridicularizes o perdedor.

Lembra-te que tudo o que semeias hoje, dará os seus frutos amanhã. Uma pequena derrota num jogo pode fazer com que o teu filho esteja mais preparado para lidar com as decepções, fracassos e adversidades da vida.

Fonte:

www.psychology-spot.com/2017/03/child-always-wants-to-win.html

Palmquist, C. M. et. Al. (2016) Success inhibits preschoolers’ ability to establish selective trust. Journal of Experimental Child Psychology; 152: 192–204.

Sem comentários

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior NÃO É FÁCIL SER PAI / MÃE DE UM ATLETA.
Próximo BENJAMINS SUB-11: TREINADOR AGREDIDO EM DÉRBI DE GONDOMAR