Um olhar sobre o Treinador de Guarda Redes Português


O treinador de Guarda Redes português é neste momento um treinador de muita qualidade e olhando hoje em dia para o panorama nacional podemos encontrar vários treinadores nacionais das mais distintas gerações a trabalhar com muita qualidade quer a um nível profissional de topo como também na formação e no futebol amador.

Apesar das várias iniciativas da UEFA nos últimos anos no sentido de dar ferramentas (seminários) e das diretrizes dadas pelo painel JIRA, da UEFA que supervisiona o desenvolvimento da formação de treinadores na Europa e que através da introdução da licença de treinadores de guarda redes emitidas pela UEFA delegaram nas federações das delegações membro a responsabilidade de abrir cursos nesta área especifica debaixo das diretrizes acima referidas, a verdade é que atualmente ainda não temos esse tipo de formação no nosso país, no entanto o mais interessante é que se trabalha com muita qualidade em Portugal.

Quem me conhece, sabe que eu sou um defensor da partilha de conhecimentos e que só através dessa partilha haverá evolução, ainda para mais numa classe tão pequena como a nossa e a verdade é que nos últimos anos tem havido cada vez mais eventos de guarda redes  e para treinadores de guarda redes, prova disso é o congresso internacional de treino de Guarda Redes no Porto, que irá este ano para a 4ª edição e que tem trazido treinadores de grande nível de todas as partes do mundo, assim como várias formações que se tem realizado a nível mais local e mais viradas para a formação, bem como as várias escolas de guarda redes que vão aparecendo no nosso país e quem tem contribuído para a formação de vários treinadores e posso falar pela minha que nos seus 4 anos de existência , já “formou” mais de 50 treinadores e muitos deles estão atualmente a trabalhar em vários clubes de campeonato nacional que até há bem pouco tempo atrás não tinham qualquer tipo de atenção para o treino de Guarda Redes.

As novas tecnologias e o acesso rápido à informação, trouxeram também muita força a esta área específica, hoje em dia já encontramos na internet vários vídeos e alguns blogs de treino de guarda redes, inclusive alguma literatura mais cientifica, o que permite que cada um de nós com a paixão e a motivação intrínseca com que vivemos diariamente com os nossos GR, desta maneira, sem qualquer tipo de curso oficial, consigamos alimentar o nosso sonho e ir criando as nossas próprias ideias, essa descoberta constante e essa busca incessante de sermos melhores e aprendermos com os nossos erros e também com as nossas virtudes faz de nós também treinadores especiais.

No entanto, penso que é fundamental ao treinador de guarda redes perceber e dominar muito mais do que apenas o seu conhecimento especifico acerca da posição, penso que é fundamental o treinador de GR ter competências transversais relativas ao treino desportivo e em concreto ao treino de futebol, é importante que o treinador tenha pelo menos o Nível UEFA C e que isso se traduza num conhecimento mais profundo e completo acerca do treino e não apenas como um ferramenta fundamental para a sua carreira profissional mas também como mais uma arma de conhecimento para ser melhor e ensinar melhor e desta maneira ir também ajustando a sua formação enquanto treinador  de acordo com as suas ambições e contexto profissional. Assim como a já falada licença de treinador de guarda redes inicialmente referida deve sem duvida ser uma ferramenta à qual todos nós devíamos ter acesso, para nosso crescimento individual, valorização profissional mas acima de tudo para um maior consenso e articulação no caminho a percorrer pelo treinador de guarda redes português e pelo treino de Guarda Redes no nosso país.

Para finalizar, reforçando mais uma vez a ideia que hoje em dia trabalha-se cada vez com mais qualidade e há cada vez mais matéria humana preparada e competente na nossa classe e também aí dar mérito a quem desde há uns anos para cá muito contribuiu em Portugal para essa partilha de conhecimento e para que novas metodologias fossem implementadas, como os casos dos conceituados treinadores de GR portugueses como Vital, Hugo Oliveira, Luís Matos, Daniel Gaspar, Ricardo Peres, Vitor Silvestre, Paulo Grilo, entre outros que certamente também contribuíram para este crescimento, é importante neste momento importante refletir de uma forma mais global e a longo prazo, ou seja, penso que chegámos a uma época onde cada um de nós tem o seu próprio entendimento e a sua metodologia definida, inspirada ou não por alguns daqueles que acima referi e por outras referencias internacionais mas é importante começarmos a pensar no desenvolvimento do GR a longo prazo, as suas etapas de formação, o planeamento e a longo prazo e tudo o que envolve o fenómeno do treino de GR desde o dia em que ele começa a treinar aos 6 anos e chega ao futebol sénior com 19, caso contrário tudo o que de bom se faz agora daqui a uns anos servirá de pouco pois não se deu a devida sequência nem foram criadas as bases e estruturas verdadeiramente sustentadas.

Não nos podemos esquecer que mais importante que um diploma que certifique a nossa competência e nos valorize a nossa carteira profissional, o mais importante será sempre a nossa vontade em querermos evoluir e melhorar a cada dia, a paixão que nos move e o quanto nos dedicamos a cada treino e a cada GR, a forma como nos envolvemos em cada congresso, formação, evento assim como a nossa maneira de estar nesta vida e nesta área no que diz respeito á partilha e troca de ideias.

Muito melhorou nos últimos tempos, agora até 2 “sites”  temos em Portugal totalmente dedicados aos treino de GR no entanto não nos esqueçamos que a nossa função será sempre solitária e muitas vezes invisível e pouco valorizada tal como é a dos nossos GR, muito do que fazemos será feito atrás dos bastidores, na relação diária com os nossos GR e com a nossa equipa técnica e essa relação e essas vivências não vêm nos livros, esses episódios somos nós que os escrevemos e são esses que nos darão força para continuarmos.

Mister, continua o teu bom trabalho com ou sem diploma, o mais importante és tu e aquilo que tu pensas e o teu guarda redes!

1 Comentário

  1. AméricoNogueira
    17 Fevereiro, 2017
    Responder

    Mister os meus parabéns neste Artigo ” Um olhar sobre o Tr. de G.Redes ” na verdade o nosso Trabalho de forma geral ainda é muito pouco Valorizado no nosso País e em particular nos nossos Clubes e não estou a falar em termos Financeiros, só a nossa grande paixão por aquilo que fazemos é que faz com que estejamos entre os melhores, estou convicto que quando nos derem mais Valor ao nosso Trabalho e melhores condições “Materiais e Financeiras ” iremos certamente ser ainda melhores . Forte abraço

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior Mister... Não consigo!!!
Próximo A PIRÂMIDE ESTRUTURADA DO FUTEBOL E AS SUAS IMPLICAÇÕES COMPETITIVAS