“O futebol de rua pode, na rua não ser…”  Vítor Frade – Curar o Jogar

 Da coluna semanal do Jornal A Bola “O jogo infinito” de Jorge Valdano surge mais um excelente artigo (publicado a 16 de novembro de 2019) a propósito do talento – “O talento chega em manada” – concretamente sobre a gestão de expetativas, o processo de formação e o processo de afirmação e consequente necessidade de superação.

A minha reflexão* foi despertada pela terceira parte do texto, “Meninos de rua de academia”, na qual Jorge Valdano refere casos de jogadores com caraterísticas únicas e diferenciadas que contribuem para a revitalização do futebol e da imprevisibilidade do jogo. No entanto, Valdano alerta-nos para a formação do futebolista como um processo cada vez mais formal e cada vez mais com a tendência de uniformizar, colocando em perigo os jogadores diferenciados, o talento!

Enquanto treinador, esta tendência tem-me levado a pensar, a questionar, a refletir…

O que fazer para formar jogadores diferenciados? Como promover que cada jogador se expresse na sua individualidade? O que fazer para que o talento continue a alimentar a imprevisibilidade do jogo? O que fazer para revitalizar o futebol, em especial o futebol de formação?

O programa “Futebol Total” do Canal 11, apresentado por Pedro Sousa, com a presença do convidado Luís Freitas Lobo, trouxe para discussão o tema do futebol de rua. Contribuindo assim para esta reflexão. Os presentes no programa focaram dois aspetos sobre este tema: o local/espaço onde é jogado e a autonomia associada.

Relativamente ao local/espaço onde é jogado o futebol de rua está inerente uma grande variedade e diversidade que promove o desenvolvimento de uma elevada adaptabilidade e agilidade corporal (desenvolvimento técnico). Por exemplo, o simples facto do terreno de jogo poder não ser regular contribuiu desde logo para a necessidade de que haja um ajuste permanente da ação técnica. Quanto à autonomia, o futebol de rua possibilita enorme liberdade de expressão e ao mesmo tempo exige que o jogo seja permanentemente pensado por quem o joga (desenvolvimento tático).

Estes pontos fazem do futebol de rua um contexto de desenvolvimento excecional! No entanto, a estes aspetos juntam-se outros dois. Nomeadamente, o elevado número de horas de prática – os autores Gladwell e Coyle nas suas obras (Outliers, 2008, e O código do talento, 2009) referem-se à “regra das dez mil horas” e à “regra dos dez anos”, respetivamente, como elementos fundamentais para o desenvolvimento do talento. Bem como, a atmosfera de grande emotividade que o futebol de rua implica – António Damásio, neurocientista português reconhecido mundialmente, destaca a importância das emoções na aprendizagem.

Ora se no passado o futebol de rua teve um papel preponderante na formação de imensos futebolistas de elite, nos dias de hoje, pela evolução social, esta é uma realidade em extinção. Pelo que a formação dos jovens futebolistas está entregue às escolas de formação e às academias.

Porém, não devemos olhar para este desaparecimento do futebol de rua como algo necessariamente negativo. Devemos antes perceber que aqui reside uma oportunidade para nós, enquanto treinadores de formação, intervirmos, fazermos diferente!

Uma primeira solução passa por levar as crianças e os jovens para a rua. Solução essa que já foi adotada, por exemplo, pelo Ajax – https://maisfutebol.iol.pt/historia/internacional/o-ajax-esta-a-mandar-os-miudos-para-a-rua-literalmente.

No entanto, não tem de ser necessário levar as crianças e os jovens para a rua. Na minha opinião, os treinadores devem ter a capacidade de levar a rua para dentro do treino. Sendo aqui a rua entendida como a sua essência! E a essência do futebol de rua é definida, sobretudo, pelo seu espírito. Espírito esse de grande competitividade e paixão que lhe é conferido pelas chamadas “regras do futebol de rua”.

Para que tal seja possível, isto é, para que a essência e o espírito do futebol de rua estejam presentes no treino, o treinador deve ter a preocupação de que o treino seja jogo (jogado e pensado), deve ser capaz de apimentar o seu treino partindo das tais “regras do futebol de rua” (emotividade) e deve garantir autonomia a quem joga, bem como, um elevado tempo de prática e ainda uma variedade e diversidade de estímulos, por exemplo, treinar em diferentes superfícies (sintético, pelado, relvado, …) ou com bolas diferentes (tamanho, pressão, qualidade, …).

Esta tem sido cada vez mais uma preocupação minha. Acredito que, tomando partido por esta abordagem no treino de crianças e jovens, estarei mais próximo de cumprir aquela que é a minha maior responsabilidade enquanto treinador de formação: fazer do treino o melhor momento do dia!

Assim, no sentido de contribuir para que continuem a surgir talentos diferenciados que garantam imprevisibilidade ao jogo, aos meus olhos podemos estar perante uma solução simples (simples não significa fácil!) que passa fundamentalmente por devolver ao jogador, ao treino e à formação a bola, o jogo, a competitividade, a paixão, …!

“Apesar dos problemas do mundo serem cada vez mais complexos, as soluções permanecem embaraçosamente simples.”

Bill Mollison

*Esta minha reflexão embora despertada pelo artigo de Jorge Valdano, alimentada pelo programa “Futebol Total” do Canal 11 (aqui abro um parêntesis para dar o meu agradecimento e parabenizar a Federação Portuguesa de Futebol pela capacidade que teve para criar um canal televisivo com conteúdos de elevada qualidade que nos mostram o futebol, em especial o futebol português, de uma forma diferente, para melhor!) e pelas minhas experiências e vivências, começou a desenhar-se quando tive o prazer de assistir a uma excelente conferência com o preletor Miguel Lopes (à data treinador adjunto do mister Rui Quinta no SC Espinho e atualmente treinador adjunto na equipa B do Vitória Sport Clube) intitulada de “Futebol de Rua – Contributos para o Futebol de hoje”.

1 Comentário

  1. Avatar
    10 Janeiro, 2020
    Responder

    https://hub-soccer.com/2019/12/20/soccer-a-fun-game-like-i-used-to-know/

    Escrevi este artigo, também na mesma linhagem de pensamento, onde além da mesma reflexão, vou um pouco mais longe chegando mesmo a possíveis lesões originadas pela “robotização dos movimentos”.

    https://www.facebook.com/FilipeTelesCoach/

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior Podemos tirar o miúdo do bairro, mas é difícil tirar o bairro do miúdo
Esta é o artigo mais recente.