A FORMAÇÃO COMO UMA DAS SOLUÇÕES PARA A VIABILIDADE ECONÓMICA DOS CLUBES DE FUTEBOL


O objectivo da formação foi-se alterando ao longo dos anos. Penso que, o investimento na formação em Portugal está sobretudo relacionado com questões de origem histórica e social. Com a conjuntura actual podemos afirmar que “a formação desportiva readquiriu uma nova centralidade. Ela deixou de ser apenas um processo de assegurar a qualidade desportiva dos clubes, para ser também um meio de optimizar financeiramente os recursos humanos.

Na minha opinião, uma das grandes soluções para o problema económico dos clubes é “apostar inequivocamente na formação, criando estruturas, alterando conceitos e metodologias, de forma que o número de jovens com talento seja maior ao da realidade actual”.

É necessário ter presente “que os jogadores são activos neste mundo economicista. Pois, para além do património imobiliário que só alguns clubes ou sociedades desportivas possuem, são exactamente estes activos (entenda-se jogadores) a única riqueza, o único bem de possível rentabilização.

O lançamento de jovens futebolistas está muitas vezes relacionado com os condicionalismos económicos de cada clube. Equipas que não têm grande capacidade financeira a nível internacional têm nos jogadores formados nas suas escolas a oportunidade de reforçarem os seus planteis e de, ocasionalmente, venderem jogadores, o que lhes podem trazer importantes contrapartidas financeiras.

A formação é um aspecto rentável, isto é, formar jogadores e eventualmente vendê-los, se estes tiverem qualidade. Penso que esta é a via para os clubes portugueses.

Daí que um investimento forte e sério na formação acabe por ser a médio/longo prazo um excelente investimento. É necessário apostar nos jovens jogadores de forma a evitar gastos e, eventualmente, rentabilizá-los com a sua venda.

É fundamental que entendamos que, da forma como se está a desenvolver esta indústria, o nosso país terá forçosamente de ser mais exportador do que importador e, que quando tenha de importar, que o faça de forma pontual e com o garante de que tais importações constituirão uma mais-valias não só desportivas, mas, também, económicas.

Um forte investimento na formação desportiva passa a ser, à nova dimensão internacional do trabalho desportivo, um objectivo estratégico fundamental para aumentar o grau de competitividade dos países com economias de desporto mais fracas.

Os treinadores das grandes equipas portuguesas estão atentos a este fenómeno e à importância da formação no futebol. Em Portugal, é preciso repensar o investimento na formação, apostar em jogadores mais novos e nacionais. Para isso é preciso apostar nas camadas jovens.

Assim, parece-me consensual a premência do investimento na formação e nos jovens talentos de forma a facilitar a sanidade económica dos clubes de futebol e, ao mesmo tempo, garantir uma maior competitividade desportiva quer ao nível das competições internas, quer ao nível das competições com os restantes clubes/países da Europa.

 

Sem comentários

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior PRINCIPAIS DOENÇAS QUE ASSOLAM O FUTEBOL DE FORMAÇÃO EM PORTUGAL - PARTE I
Próximo A Comunicação do Treinador no Futebol de Formação