Heterogeneidade / Formação / Competição: Parte 2


…Por isso, penso ser pertinente considerarmos a competição quando falamos em formação.

Existem, naturalmente, formas de análise distintas desta que aqui vos trago. Umas mais consensuais, outras nem por isso.

Como em muitos outros temas verdades absolutas e teorias inquestionáveis é coisa que não existe. Todas as perspetivas serão defensáveis desde que razoáveis e devidamente justificadas.

Várias questões se podem e devem colocar quando se aborda este tema.

A competição é importante no processo formativo?

Deve ser abordada de forma idêntica independentemente da faixa etária?

Todos os jogadores devem ir para a competição?

Que tipo competição proporcionar?

Gerir o grupo em competição, como fazê-lo?

Estratégias para os menos utilizados e não convocados?

Estas e outras questões se podem colocar quando se aborda este tema.

Resumidamente penso que se poderão considerar 4 Fases de Formação/Competição:

  • Minis, Petizes e Traquinas, Fase Inicial
  • Benjamins, Fase Intermédia
  • Infantis, Iniciados, Juvenis, Fase de Desenvolvimento
  • Juniores, Fase de Consolidação

FASE INICIAL

Minis e Petizes– Fortíssima componente de animação, através da realização de jogos lúdico-desportivos, de encontros informais e concentrações.

Traquinas– Deverão iniciar competição formal. Privilegiar a participação do maior número possível de praticantes.

Dar continuidade à participação em encontros informais e concentrações.

Participação em torneios com objetivo essencialmente de reforço do espírito de grupo e companheirismo.

 FASE INTERMÉDIA

Benjamins- Continuar a privilegiar a participação do maior número possível de praticantes começando progressivamente a implementar critérios de participação em competição (ex: desempenho em treino e competição, assiduidade, atitude e concentração).

Introdução pontual de concentrações ou jogos treino com caracter informal para os jogadores que não preenchem critérios de participação em competição.

Participação em torneios com objetivo essencialmente de reforço do espírito de grupo e companheirismo.

Treinador principal deverá assumir e liderar todos os momentos de competição.

FASE DE DESENVOLVIMENTO

Infantis– Início da fase de desenvolvimento dos critérios de participação em competição (ex: desempenho em treino e competição, assiduidade, atitude, concentração, responsabilidade, determinação, ambição, superação, companheirismo, rigor no treino).

Tentativa de enquadramento competitivo alternativo e regular para os jogadores que não atingem critérios de participação em competição.

Participação em torneios com o objetivo de reforço do espírito de grupo, companheirismo e com espírito de conquista.

Treinador principal deverá assumir e liderar todos os momentos.

Iniciados– Estabilização dos critérios de participação em competição (ex: desempenho em treino e competição, assiduidade, atitude, concentração, responsabilidade, determinação, ambição, superação, companheirismo, rigor no treino, capacidade de definir objetivos).

Enquadramento competitivo alternativo regular para os jogadores que não atingem critérios de participação em competição ou jogadores de 1º ano no escalão.

Treinador principal em competição lidera equipa A e adjunto lidera a B.

Juvenis Estabilização dos critérios de participação em competição (ex: desempenho em treino e competição, assiduidade, atitude, concentração, responsabilidade, determinação, ambição, superação, companheirismo, rigor no treino, capacidade de definir objetivos, equilíbrio emocional).

Enquadramento competitivo alternativo regular para os jogadores que não atingem critérios de participação em competição ou jogadores de 1º ano no escalão.

Treinador principal em competição lidera equipa A e adjunto lidera a B.

FASE DE CONSOLIDAÇÃO

Juniores- Consolidação dos critérios de participação em competição (ex: desempenho em treino e competição, assiduidade, atitude, concentração, responsabilidade, determinação, ambição, superação, companheirismo, rigor no treino, capacidade de definir objetivos, equilíbrio emocional, desinibição, lidar com a pressão)

Enquadramento competitivo alternativo regular para os jogadores que não atingem critérios de participação em competição ou jogadores de 1º ano no escalão.

Treinador principal em competição lidera equipa A e adjunto lidera a B.

Início da transição para a equipa sénior por parte dos jogadores mais aptos e com maior potencial de afirmação. Inicialmente através da participação em sessões de treino e posteriormente, se possível, em convocatória.

Conclusão e considerações gerais…

.Deixe sua opinião ou comentário aqui no site o seu contributo é importante.
.Obrigado

1 Comentário

  1. Gostava de ter acesso a estudo que avaliassem das vantagens/desvantagens de adoptar o modelo de futebol 9 a partir dos Infantis B.

    Obrigado

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior Um Clube, Um Departamento! O Futebol de Formação
Próximo Psicologia Do Desporto: Uma Exclusividade?